Diocese de Uberlândia Em Destaque

Catedral Santa Teresinha faz memória da Páscoa Judaica

Dentro das celebrações que antecedem a Páscoa, a Catedral Santa Terezinha, localizada à Praça Tubal Vilela, Centro de Uberlândia, realizou nessa segunda-feira (14), às 20h, a celebração da páscoa judaica.

10151941_739947972692697_2773674098340370012_n

Marcada por símbolos imemoriais, a ceia judaica foi preparada para cerca de duzentas e cinquenta pessoas dispostas no interior da igreja. A celebração com conotações fortemente judaica recordou a Páscoa dos Judeus Pessah – celebrada anualmente no mês de Março (14 de Nissan), memorial da libertação do povo de Israel da “casa da escravidão”, como narra o livro do Êxodo, capítulo 12 e seguintes. [Veja abaixo quais são os alimentos que compõe o ritual de páscoa judaico].

10176238_739948636025964_8408798053088122608_n

Segundo o pároco da Catedral, Padre Olimar Rodrigues, “o intuito de rememorar a ceia judaica, a qual Cristo teve com seus discípulos antes de seu martírio e morte de cruz, tornou-se um meio de diferenciar a antiga ceia da qual os cristãos celebram hoje, na Quinta-Feira Santa, quando Cristo, por meio da transubstanciação (alteração da substância dos alimentos, embora a matéria continue pão e vinho), se faz corpo e sangue”, afirmou o cura.

Ao término da ceia judaica, Padre Olimar Rodrigues agradeceu a todos os que dedicaram tempo e se empenharam para que ela ocorresse da melhor maneira possível. O presbítero reiterou ainda o convite para que todos os participantes da ceia judaica participem igualmente das celebrações da Semana Santa, “uma forma de vivenciar a fé cristã por meio da morte e ressurreição de Cristo”.

10174905_739953986025429_4160552776330208152_n

Após a benção final, foi servido aos fiéis leigos alguns alimentos próprios da cultura judaica.

Segundo a tradição judaica, cada alimento presente numa refeição simboliza uma etapa na trajetória de saída – êxodo – da escravidão:

[box]

Zeroah: osso da perna do cordeiro usado como lembrete do cordeiro oferecido na Páscoa no Templo de Jerusalém. Também lembra que Deus passou por cima das casas do povo judeu no Egito.

Beytza: o ovo simboliza o ovo assado oferecido no Templo de Jerusalém na festa da Páscoa.

Maror: pedaço de erva amarga que relembra a amargura e opressão durante o período de escravidão.

Haroset: mistura de maçãs raladas, canela, castanhas e vinho que simboliza a argamassa usada pelos trabalhadores judeus escravos no Egito.

Karpas: pedaço de salsa ou aipo que relembra a estação da primavera, a época da Páscoa, e é o símbolo da gratidão para com Deus pela qualidade da terra.

1014306_739946462692848_6432141755976040204_n

Água salgada: símbolo da amargura que Israel suportou em sua experiência de cativeiro. É usada para mergulhar a salsa.

Matzot: três pães sem fermento que representam os patriarcas Abraão, Isaac e Jacó (como os israelitas tiveram que sair às pressas do Egito, não teriam tempo de fermentar a massa dos pães. Daí, a ordem do Senhor para que cozessem pães ázimos).

Vinho: o vinho relembra a cor do sangue com que os judeus pincelaram os batentes das portas de suas casas para que os primogênitos pudessem sobreviver (são servidas quatro taças).

[/box]

Confira mais fotos da Ceia Judaica, acessando a nossa fanpage: www.facebook.com/elodafe

Assine a nossa newsletter

Junte-se à nossa lista de correspondência para receber as últimas notícias e atualizações de nossa equipe.

You have Successfully Subscribed!