Diocese de Uberlândia Em Destaque

Comissão Justiça e Paz da Diocese de Uberlândia emite nota sobre as Eleições

A Comissão Justiça e Paz da Diocese de Uberlândia, em reunião extraordinária com o bispo diocesano, Dom Paulo Francisco Machado, emitiu uma nota conjunta a respeito das eleições que ocorrerão neste próximo domingo (5).

O objetivo da carta, segundo a equipe responsável, é contribuir para uma melhor conscientização dos deveres públicos e cívicos de todos os cidadãos, mas, em especial, dos cristãos que devem primar pela democracia a partir de uma visão sempre mais aclarada e responsável.

eleies-2014

Confira, abaixo, a carta na íntegra.

[box]

brasao

Diocese de Uberlândia

CNPJ 17.786.872/0001-20
Praça Nossa Senhora Aparecida, 130 – B. Aparecida
Cep 38400-726 – Uberlândia/MG – CX. Postal 3006
Tel: (34) 3235-0144 – Fax: (34) 3213-6310

OS CRISTÃOS E AS ELEIÇÕES

Amor e Verdade se encontrarão. Justiça e Paz se abraçarão(Salmo 85)

Em comunhão com a Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), por meio da Comissão Diocesana de Justiça e Paz, vem chamar a atenção dos cristãos-católicos sobre a importância e a seriedade do momento político-eleitoral que estamos vivendo. No dia 05 de outubro o povo brasileiro estará escolhendo pelo voto direto o Presidente da República, os Senadores, os Governadores, os Deputados Federais e Estaduais.

Se o momento às vezes nos parece complexo e confuso, ele exige ainda mais de nós discernimento, lucidez e espírito profético. Não podemos aceitar atitudes simplistas e ingênuas em relação à Política, devemos romper com alguns os preconceitos superficiais, tais como:

– política é coisa suja! Gente séria não se envolve com política!

– todo político é corrupto. Não existe nenhum político honesto!

– Aqueles bem intencionados, quando assumem o poder se esquecem do povo…

– Todos os partidos políticos são iguais, é preciso votar na pessoa e não no Partido!

– Jesus nunca falou ou fez política…

Sabemos que atitudes como estas somente interessam àqueles que procuram ocupar os cargos públicos em benefício pessoal ou grupal, estes não querem que pessoas honestas e honradas estejam por perto deles, porque os incomodam. Há uma máxima muito antiga e muito atual que diz: “O maior castigo para aqueles que não gostam da Política é ser governado por aqueles que gostam dela”! A omissão e a indiferença frente às urgências sociais não são condizentes com a fé cristã; o cristão deve ser sal da terra e luz do mundo (cf. Mt 5,13-16) . Constrangem nossa consciência cidadã, como cristãos, atos, gestos e discursos que ferem a maturidade da democracia, desrespeitam o direito de livre decisão, confundindo os cristãos e comprometendo a comunhão eclesial. O Papa Francisco, num discurso sobre a participação política dos cristãos, disse: “Devemos envolver-nos na política, pois a política é uma das formas mais altas da caridade, porque busca o bem comum”.

Se nos parece difícil encontrar candidatos com um perfil político ideal, procuremos votar naqueles que preenchem os critérios mínimos de compromisso com a justiça social, com a ética na política e com a democracia.

A CNBB, em seu documento Pensando o Brasil: desafios diante das eleições 2014, aponta as seguintes orientações para o voto consciente dos cristãos:

  • “O eleitor consciente deve conhecer o passado de seu candidato e averiguar se o discurso e a prática por ele apresentados se conformam aos valores da Ética e do bem comum”;
  • “É preciso também exercer a missão profética de todo cristão e manter uma atitude de fiscalização e vigilância. Diante das irregularidades, é necessário denunciar. O silêncio e a omissão também são responsáveis pela deterioração da democracia”;
  • “É indispensável o acompanhamento dos candidatos eleitos e o engajamento em prol de uma efetiva reforma política. A Fé não pode ser vivida isoladamente, mas em comunidade e no exercício da caridade, de modo que não sobre na mesa de poucos aquilo que falta na mesa de muitos”.

Aproveitamos a ocasião para reforçar a necessidade do nosso apoio e participação na Reforma Política, na defesa do projeto que propõe a proibição do financiamento de campanhas eleitorais por pessoas jurídicas; a adoção do sistema eleitoral proporcional em dois turnos; aumentar o número de representações femininas nas casas legislativa:

Conclamamos a todos os cidadãos que votem com liberdade e lucidez seguindo os ditames de sua consciência e iluminados pela luz de sua fé.

Confiando na intercessão de Nossa Senhora Aparecida, invocamos as bênçãos de Deus para todo o Povo Brasileiro.

Diocese de Uberlândia                                 Comissão Diocesana de Justiça e Paz 

 

Carta aprovada pelo Sr. Bispo Diocesano Dom Paulo Francisco Machado  

[/box]

1 comentário

Clique aqui para postar um comentário

Assine a nossa newsletter

Junte-se à nossa lista de correspondência para receber as últimas notícias e atualizações de nossa equipe.

You have Successfully Subscribed!