Colunistas Destaque

Como ser um jovem santo nos dias de hoje?, por Ariovaldo Afonso – Seminarista

Como ser um jovem santo nos dias de hoje?
Ariovaldo Afonso de Oliveira Júnior
Seminarista da Diocese de Uberlândia
Graduando em Teologia pela PUC-Minas

É muito recorrente ouvirmos hoje em dia que devemos ser santos, mais ainda o moralismo que vem acompanhado com essa fala, mas proponho uma reflexão sobre a santidade, sobretudo na juventude.
Certos pregadores, ou até mesmo nossos pais ou nossos avós apontam muitas coisas que deveríamos fazer para sermos santos, ou melhor, que não deveríamos fazer. Contudo, os apontamentos não dizem muito sobre a santidade em si. A maioria deles está relacionada à maneira de se vestir, à uma tatuagem, à um brinco, à orientação sexual, etc. E ainda se diz que para ser santo não se deve viver as coisas do mundo. Ora, como não viver as coisas do mundo se fomos criados para vivermos nele? É praticamente impossível não viver as coisas do mundo. O problema maior está na interpretação dessa fala, viver as coisas do mundo está muitas vezes relacionado às drogas, corrupção, violência, prostituição, dentre outras. Não se pode esquecer que a paz, o amor, a caridade, a misericórdia, a bondade, também estão no roll das denominadas “coisas do mundo”.

O Papa Francisco em sua exortação apostólica “Gaudete et exsultate”, sobre o chamado à santidade no mundo atual, no parágrafo 63, diz que “Sobre a essência da santidade, pode haver muitas teorias, abundantes explicações e distinções. Uma reflexão do gênero poderia ser útil, mas não há nada de mais esclarecedor do que voltar às palavras de Jesus e recolher o seu modo de transmitir a verdade. Jesus explicou, com toda simplicidade, o que é ser santo; assim o fez quando nos deixou as bem-aventuranças (Mt 5, 3-12; Lc 6, 20-23). Estas são como que o bilhete de identidade do cristão. Assim, se um de nós se questionar sobre “como fazer para chegar a ser um bom cristão”, a resposta é simples: é necessário fazer – cada qual a seu modo – aquilo que Jesus disse no sermão das bem-aventuranças.”

O jovem é capaz de praticar as bem-aventuranças, é capaz de fazer aquilo que Jesus ensinou, basta que se dê oportunidades e também, que se mostre o caminho do amor, da misericórdia, da justiça e da paz. São João Paulo II deixou uma mensagem aos jovens, que hoje já está com uma linguagem um pouco obsoleta, mas que faz todo sentido para os nossos dias, “Precisamos de Santos sem véu ou batina. Precisamos de Santos de calças jeans e tênis. Precisamos de Santos que vão ao cinema, ouvem música e passeiam com os amigos. Precisamos de Santos que coloquem Deus em primeiro lugar, mas que se “lascam” na faculdade. Precisamos de Santos que tenham tempo todo dia para rezar e que saibam namorar na pureza e castidade, ou que consagrem sua castidade. Precisamos de Santos modernos, santos do século XXI, com uma espiritualidade inserida em nosso tempo. Precisamos de Santos comprometidos com os pobres e as necessárias mudanças sociais. Precisamos de Santos que vivam no mundo, se santifiquem no mundo, que não tenham medo de viver no mundo. Precisamos de Santos que bebam coca-cola e comam hot dog, que usem jeans, que sejam internautas, que escutem disc man. Precisamos de Santos que amem apaixonadamente a Eucaristia e que não tenham vergonha de tomar um refri ou comer uma pizza no fim-de-semana com os amigos. Precisamos de Santos que gostem de cinema, de teatro, de música, de dança, de esporte. Precisamos de Santos sociáveis, abertos, normais, amigos, alegres, companheiros. Precisamos de Santos que estejam no mundo; e saibam saborear as coisas puras e boas do mundo, mas que não sejam mundanos”.
Podemos ser santos nos nossos dias, basta que sejamos nós mesmos, vivendo as bem-aventuranças, praticando o bem, vivendo o amor e abertos à graça de Deus que nos santifica e aperfeiçoa.

Assine a nossa newsletter

Junte-se à nossa lista de correspondência para receber as últimas notícias e atualizações de nossa equipe.

You have Successfully Subscribed!