Diocese de Uberlândia Em Destaque

Diocese encerra processo de canonização de Elena Guerra

Hoje (20), às 15 horas em Sessão Solene na cúria diocesana, deu-se a clausura dos documentos do processo de canonização da beata Elena Guerra, beatificada em 19 de Abril de 1959 pelo papa João XXIII.

187

Na presença do vice-postulador da causa de canonização da beata, Pe. Eduardo Braga e Silva, da arquidiocese de Niterói-RJ, o Revmo. Sr. Bispo diocesano, dom Paulo Francisco Machado, na companhia do Juiz Delegado, Pe. Edvaldo de Sousa, e do Promotor de Justiça legitimamente constituído, Pe. João Evangelista da Silva, e das testemunhas, Pe. William Garcia, Pároco da Paróquia Santa Mônica, Diácono Claudemar Silva, diretor do CCD, e Débora Mendes Pereira, Notária do Departamento Jurídico da Diocese, lacrou-se os documentos que serão agora enviados para a Santa Sé, para a Congregação da Causa dos Santos.

Na sessão solene de clausura foram apresentadas duas cópias autenticadas do Processo referente ao suposto milagre atribuído à Beata Elena Guerra, cuja intercessão teria obtido de Deus a cura para o uberlandense Paulo Gontijo de Oliveira (53) de um traumatismo crânio-encefálico.

167

Após ouvir o Promotor de Justiça, que declarou solenemente não haver contestações ao Processo, o Reverendíssimo Sr. Bispo Diocesano e o Juiz Delegado declararam a integridade e autenticidade tanto do original quanto das duas cópias, e ordenaram que fossem levadas a Roma e apresentadas à Congregação para a Causa dos Santos, o que deverá ocorrer, segundo o vice-postulador, responsável por levar os documentos, no próximo dia 08 de Dezembro.

Durante a solenidade, Pe. Eduardo Silva declarou: “juro cumprir fielmente o cargo que me foi confiado de levar para Roma duas cópias autenticadas do referido Processo e de apresenta-las à Congregação para as Causas dos Santos, juntamente com o envelope que contém as declarações do Juiz Delegado e do Promotor de Justiça e o Instrumento de clausura”.

170

Questionado acerca deste momento importante para a vida da Igreja Particular de Uberlândia, dom Paulo Francisco afirmou que “toda a Igreja de Uberlândia se alegra por Deus ter concedido a um fiel da diocese esta Graça. […] diante de um milagre, os cientistas que metodologicamente devem ser ‘ateus’, vão atestar que aquele fato [suposto milagre] não tem explicação científica. Diante desse ‘silêncio’ da ciência, os teólogos vão afirmar: ‘aqui há o dedo de Deus”, e, portanto, “canta os louvores de Deus”, ressaltou o bispo diocesano.

183

 

Assine a nossa newsletter

Junte-se à nossa lista de correspondência para receber as últimas notícias e atualizações de nossa equipe.

You have Successfully Subscribed!