Diocese de Uberlândia Em Destaque

E a Palavra de Deus se fez gente

É Natal. É preciso partir e ser do jeito de Belém. E não há necessidade de irmos até lá, fisicamente. Na verdade, Belém está aqui, bem próxima a nós. O Salvador, nascido num estábulo – curral ou “coxo” -, faz-se presente na casa vizinha; ali mora o Salvador [imagine se cada um de nós pensasse assim, Ele moraria também na minha]. Disso, aprendemos o essencial; o grande escândalo da fé cristã: um “Deus” que se torna aquilo que Ele criou. Ou poderíamos ainda chamá-la de a grande ousadia; aquela mesma ousadia para a qual, na eucaristia, ouvimos o presidente da celebração convidar-nos: “… ousamos dizer: ‘Pai Nosso’…”.

marianiño

Ao celebrar esse grande mistério da fé cristã – só não é maior do que o mistério pascal -, nossa atenção se volta, uma vez mais, para aquela cena singular em que um casal pobre e desprovido de quaisquer recursos se vê obrigado a pousar num lugar inapropriado para um recém-nascido. E isso nos diz muito. Diz-nos da atitude da fé autêntica, sobretudo; daquela fé que não espera e não confia em nada mais, senão no próprio Deus. Que espera dEle, e nEle confia unicamente o coração. Haverá feno e “coxo”. A lua e as estrelas brilharão alegremente no céu e o silêncio e o burburinho daquela noite serão inconfundíveis. É uma noite especial, sem dúvida, como o é para todos aqueles que recebem com alegria um recém-nascido. Deus não se alardeia nem se deixa anunciar com fogos de artifícios, como fazem os grandes do mundo. Naquela noite, como em muitas outras ainda hoje, os “Herodes” continuam a espreitar como um anjo da morte a fim de liquidar os possíveis “des-tronadores” de seus impérios. Morte e vida coexistem, e no meio da tormenta brilha uma luz que indica o caminho a quem O procura de coração sincero e O almeja encontrar.

E diz-nos ainda mais; diz-nos da inversão que Deus empreendeu no seu relacionamento com a criatura que fizera. Enquanto tantos almejam “endeusar-se”, idolatrando a si mesmos, a outros ou a coisas que julgam possuir, Ele, Deus, quis “engatinhar”, fragilizar-se, aninhar-se no seio de uma mulher e receber dela a seiva, o sangue, os genes e a vida. E, paulatinamente, como todos os demais de sua espécie, ir humanizando-se. Aquela Palavra, outrora proferida “de fora”, adentrou-se na História e incorporou-se do nosso jeito, do nosso cheiro, do nosso gosto e adquiriu feições e digitais como nós. Isto é: passou a ter mãos, pés, pulmões, coração… Um corpo. E, com ele, reconheceu nossas dores, nossa fadiga, nossa solidão, nossas limitações e nossos impossíveis. Deixou-se tocar por nossa queda a fim de nos levantar não ao ponto de Deus, mas ao ponto do Homem que havíamos nos esquecido [ou desistido] de ser. Postos de joelhos, ante o peso da vida calcada quase ao extremo, Ele, descendo-a conosco, sustentou-a e, na força verdadeiramente humana do amor-vivido, soergueu-nos à estatura do Homem completo e pleno.

Assim, tendo se tornado Homem, Deus o fez em seu Filho a fim de nos provar [ou seria nos recordar?] que somos muito, valemos muito e que não há por que nos ocultar e fugirmos daquilo para o qual e com o qual fomos talhados. É em nossa humanidade, também com a nossa corporeidade, sem eximir nossas fragilidades, limitações e contingências, que seremos capazes da maior experiência a qual o Homem é vocacionado a empreender: humanizar-se, humanizando-se.

Tal como reza o salmista: “somos obra inacabada de tuas mãos”, (Sl 138, 8), numa espécie de recordação a Deus de que Ele nos precisa tecer todos os dias, hoje e sempre, pois o “homem é novo todos os dias” (Heráclito). De fato, a humanização de Deus é, para nós, um grande convite a (re) descobrir a beleza que a vida é, bem como tudo o que diz respeito à humanidade possível em nós e a partir de nós. Ele, Deus, não se encarnou por que o mundo e o ser humano estivessem perdidos ou fossem maus; absolutamente o contrário. Ele o fez por que desejou nos salvar, isto é, tornar-nos saudáveis, felizes, capazes de nos olhar de frente e nos alegrarmos por não sermos outra coisa senão homens e mulheres, frutos da mão benfazeja, bondosa, habilidosa e criadora de Deus: “Que é o homem, Senhor, para que te lembres dele? E o filho do homem, para que o visites? Pois pouco menor o fizeste do que os anjos, e de glória e de honra o coroaste”. (Sl 8, 4-5)

Por isso, todas as vezes que ousarmos nos afastar daquilo para o qual fomos feitos; todas as vezes que nos eximirmos de nossa condição intrínseca e refutarmos a gestação do humano em nós, será sempre um “atentado rebelde” contra aquele que se fazendo carne-corpo-gente desejou permanecer permanentemente[1] conosco. Afinal, Ele mesmo desejou, por amor, aprender conosco o que vem-a-ser Ser Humano. E Ele se identificou tanto com a nossa humanidade que a levou consigo, para Deus; para sempre.

É tempo de voltar às nossas “manjedouras” para contemplar, quem sabe um pouco mais demoradamente, a nossa gestação, o nosso nascimento e a nossa vida, a fim de nos perceber também imersos nessa atmosfera do inaudito de Deus que continua a nascer todos os dias em nossa vida e na vida do mundo. Pois, enquanto houver mundo e enquanto houver um novo dia, um único Homem, Ele continuará a vir para nos en-tu-si-as-mar sempre: “sede humanos”! Ele o foi. E, de tão humano, divinizou-se!

______________

Por, diácono Claudemar Silva


[1] Aqui não se trata de redundância, visto que em nossa cultura podemos perfeitamente permanecer por um dia, uma hora, um ano, mas, talvez, não para sempre.

Adicionar comentário

Clique aqui para postar um comentário

Assine a nossa newsletter

Junte-se à nossa lista de correspondência para receber as últimas notícias e atualizações de nossa equipe.

You have Successfully Subscribed!