Em Destaque Reflexões Dominicais

11/08/2013 – "Ele vem vindo"

Reflexão Dominical:

Lucas 12,32-48

Esperar o quê, quando depois de toda expectativa veio a frustração? Quando o que imaginávamos quase lá – um sonho, um projeto, uma meta – sucumbiu e não deu em nada… Não seria melhor, pois, des(esperar)?

E se insistíssemos em ter esperança? Como ela seria? Sentados, letárgicos e emudecidos, esperaríamos o que só o futuro poderia nos dar? Ou esperaríamos o que pode vir a qualquer momento, aflitos, aturdidos e tensos? Mas e se desistíssemos da esperança, a vida e o mundo não seriam apenas tragédia?

A vida cristã é marcada pela espera do Deus que vem. Para tanto, o cristão não só deve ser esperto como deve estar sempre desperto (“Mantende os rins cingidos e as lâmpadas acesas” – Lc 12, 35). Estar desperto é dar-se conta do essencial, de onde colocamos o nosso coração; de qual é o nosso tesouro. É estar vigilante para não adormecer diante das muitas sonolências às quais estamos condicionados, especialmente quando vivemos a cultura da indiferença. Enquanto por um lado a insônia é o resultado do estresse, da pressa, da massificação; por outro, é a dormência que melhor caracteriza a nossa falta de atenção para com a vida.

Todavia, Deus vem. Vem a cada momento, em cada irmão que se aproxima, em cada situação que se apresenta. E para reconhecê-lo, para abrir-lhe as portas, só uma postura importa: querer recebê-lo. Esperá-lo e descobri-lo sempre.

Portanto, não esperamos em tensão e amedrontados, mas confiantes. A atenção não é outra modalidade de desespero, medo de perder de vista o Deus que vem, mas a chave para depararmo-nos como Ele. Não é letargia, mas ligar-se ao essencial de cada coisa, de cada um… Não podemos é ignorar os riscos de que, dormindo para o que podemos ‘acordar’ de melhor em nós, façamos dessa vida simplesmente: violência, comida, bebida e embriaguez (Lc 12,45). E se assim for, as consequências poderão ser boas?

Entretanto, tudo parece testemunhar que a esperança é um engodo. Mas, depois de esperarmos contra toda esperança, quem sabe descubramos, que aquele que aguardávamos, sempre nos guiou e, ainda agora, nos sustenta em seu amor. Deus jamais será apenas aquele que vem. Ele é o Deus que era, que é e que vem e, portanto, abraça todo o nosso tempo, toda a nossa história. Estamos voltados para o futuro, mas já o nosso passado (basta olharmos atentamente) mostra que Ele caminha conosco. Talvez possamos dizer, sem medo, o que significa a esperança cristã, aproveitando-nos das palavras de um poema místico do oriente: “…Ele vem vindo, vem vindo, vem vindo sempre; nos dias perfumados do abril cheio de sol, pelo caminho da floresta, ele vem vindo, vem vindo, vem vindo sempre. No escuro chuvoso das noites de julho, sobre a trovejante carruagem das nuvens, ele vem vindo, vem vindo, vem vindo sempre. De tristeza em tristeza, são os passos dele que me apertam o coração e é o toque dourado de seus pés que faz minha alegria brilhar.” (Tagore)

_________________________________________________________

Por, Eduardo César

Adicionar comentário

Clique aqui para postar um comentário

Assine a nossa newsletter

Junte-se à nossa lista de correspondência para receber as últimas notícias e atualizações de nossa equipe.

You have Successfully Subscribed!