Destaque Destaque2 Em Destaque

Meditação (15/03/2024) Monsenhor Paulo Daher

Quarta Semana da Quaresma 15/03/2024
Sexta-feira

Em João 7, 1-2.10.25-30,
Jesus procurava não provocar mais os judeus que não o aceitavam,
por isso evitava ir a Jerusalém.
Jesus dizia no templo:“ vocês dizem que me conhecem, mas eu não vim por mim mesmo.
Quem me enviou é digno de fé, eu o conheço porque venho da parte dele foi Ele quem me enviou.”
Ouvindo isso queriam prendê-lo, mas não o conseguiam, porque ainda não tinha chegado a sua hora.
Jesus ao assumir a humanidade, Ele Filho de Deus, quis viver a nossa vida humana, em tudo menos no pecado(2Cor 5,21).
Embora com tanto poder, se submeteu as mesmas dificuldades pelas quais qualquer pessoa aqui na terra passa…
Procurava sempre fazer o bem a todos, usando até seu poder divino de cura das enfermidades das pessoas.
Mas agia como Deus age conosco: sabendo como somos e vendo nossos erros, procurava ajudar a sair dos erros, reconhecendo nossa fraqueza.
Em nossa vida comum fazemos muitas coisas certas e coisas erradas. Em nosso íntimo à luz de nossa consciência que Deus nos deu, sabemos quando buscamos o bem ou quando aceitamos o que não faz bem e desagrada a Deus. Mas dentro de nossa maneira de pensar: quem erra deve ser corrigido ou castigado! E Deus nos ajuda em nossa consciência e não nos pune logo por nossos erros. Espera que reconheçamos que erramos e procuremos melhorar.
Em sua vida na Palestina, suportou a maldade de muitos chefes religiosos que não o aceitavam.
Provava com seus milagres que Ele viera de Deus e que Ele era Deus. Mas não forçava ninguém. Assim é Deus!
Na vida em família, acontece assim: os pais veem os erros de seus filhos e procuram ajuda-los com conselhos e por meios que os convençam de deixar de fazer o que é até mal para eles.
Com este trecho vendo a resistência dos fariseus poderíamos até nos revoltar por causa de “maldade” tão grande deles para com Jesus.
Mas como diz um ditado popular: ponha sua barba de molho…
Todos nós temos resistências às evidências do amor de Deus, em pequena ou em grande escala. Com humildade nesta quaresma quebremos nossas resistências aos chamados tão constantes de Deus.
Nós temos experiência do que é querer de fato um bem sincero e forte a uma pessoa, e sentir resposta
indiferente. Basta ver uma criança desejosa de sentir, como só ela é capaz, a resposta a seu amor inocente e ter como resposta indiferença. Ela fica até doente!
Não podemos fazer isso com Deus nosso Pai que tanto nos ama.

Adicionar comentário

Clique aqui para postar um comentário

Assine a nossa newsletter

Junte-se à nossa lista de correspondência para receber as últimas notícias e atualizações de nossa equipe.

You have Successfully Subscribed!