Destaque Destaque2 Em Destaque

Reflexão (13/01/24) Monsenhor Paulo Daher

1ª Semana do Tempo Comum | Sábado
13/01/2024

Em Marcos 2, 13-17, a multidão seguia Jesus. Ao passar viu Levi, cobrador de impostos.
Jesus lhe disse:“Segue-me”.
Levi levantou-se e seguiu Jesus. Mais tarde Levi ofereceu um jantar para o qual convidou Jesus, seus discípulos, cobradores de impostos e pecadores. Uns fariseus reclamaram disso. Jesus afirmou:” Não são as pessoas sadias que precisam de médico e sim os doentes. Eu não vim chamar os justos e sim os pecadores.”
Jesus andava por todas as estradas e cidades da Palestina. Qualquer pessoa podia acompanha-lo para ouvir, para pedir cura. Todos eram recebidos com atenção. Atendia e curava os enfermos de todo o tipo sem se importar quem eram. Pois se o seguiam, o ouviam e confiavam nele, tinham sempre resposta à sua fé.
Aqui mais do que só poder acompanhar Jesus, a Levi o Senhor o escolheu para apóstolo, um dos doze.
O chamado de Deus é mistério de seu amor. Ele sabe quem é a pessoa e quer contar com ela para sua missão. Os doze, menos o Iscariotes, foram fiéis ao seu chamado e realizaram a missão que lhes foi confiada.
Admiramos esse homem rico, com uma função social pelos romanos, com muitas amizades… Ao ser chamado por Jesus deixa tudo e segue Jesus.
Em geral pelo lado humano não dá para compreender esse desapego.
E para que não seja só uma resposta pessoal, ainda dá satisfação à sociedade, oferecendo um banquete de despedida para todos os seus amigos ricos. Todos precisavam ver e aceitar que era mesmo um corte total.
Os chefes religiosos e fariseus em sua fechada e egoísta visão da religião não entenderam este gesto heróico, só enxergaram que Jesus se fez presente a um banquete onde outros cobradores de impostos e pecadores (como considerava a miopia dos fariseus) também participaram…
O papa Francisco tem mostrado a todo o momento em suas palavras e gestos concretos que a misericórdia é a filha predileta do amor verdadeiro.
Falar é bonito, soa bem, mas realizar de verdade em nossa vida prática, não é fácil… Nossa dificuldade é que olhamos mais o que perdemos e nem enxergamos o que ganhamos com esta perda.
Quem segue Jesus, quem está com Jesus tem tudo o que é mais seguro e jamais se perde. Quem tem o Amor de Deus sente-se seguramente feliz.
Nossa dificuldade é a experiência que temos com as pessoas, por mais que sejam fiéis, elas não tem domínio completo do que são e tem.
As pessoas podem mudar, voltar atrás, ou não conseguir atender a tudo o que na verdade desejam de bem a nós. Deus sempre está presente.

Adicionar comentário

Clique aqui para postar um comentário

Assine a nossa newsletter

Junte-se à nossa lista de correspondência para receber as últimas notícias e atualizações de nossa equipe.

You have Successfully Subscribed!