Reflexões Dominicais

Reflexão Dominical: “Cristo recebido, Cristo testemunhado”

Cristo recebido, Cristo testemunhado
Solenidade do Batismo do Senhor
Por Pe. Joéds Castro
Padre diocesano de Uberlândia

Caríssimos irmãos e irmãs, passo-a-passo a Mãe Igreja como Mestra na pedagogia em gerar os filhos de Deus e vai a todos conduzindo no mistério da salvação. Por meio das celebrações litúrgicas somos, não somente recordados de acontecimentos importantíssimos da história em seus fatos e tempos, mas nos é possibilitado viver esses acontecimentos com toda a intensidade possível em nosso tempo, assim ao celebrar os acontecimentos marcantes somos atualizados no mistério permanente da graça de Deus, não só os recordamos, mas podemos vive-los e fazer a experiência forte atualizada do encontro e concretude prática do fato que é vivo, a fé cristã, não se faz somente da recordação de importâncias do que se acredita, a fé cristã é ato de quem vive a fé viva.

Observemos ao que fomos expostos, fomos colocados diante dos pensamentos, sentimentos e atitudes de pessoas fundamentais profetas, Maria, José, Herodes e Reis, a liturgia, não nos possibilitou vê-los ao longe ou no passado, pela celebração litúrgica fomos, de certa forma, colocados até mesmo no ritmo da respiração destas pessoas, a liturgia da Mãe Igreja pelos relatos nos concede os elementos, ainda mais ajudados pela Força do Espírito Santo, permanente “atualizador” dos Planos de Deus, estes elementos da experiência compreensiva da vida nova no Plano/Reino de Deus acolhido e visível na pessoa de Jesus, este “Emanuel” que está vivo em nosso meio.
A presença de Jesus faz uma explosão luminosa da vida nova em Deus, presença que conscientiza a atualidade permanente do Plano de Deus. As pessoas que a liturgia, na força do Espírito Santo, nos ajudam a estabilizar e equilibrar nossa existência em percepção, que nossa vida não está fora do Plano de Deus, nossa vida está inserida de forma concreta no permanente do Reino de Deus Pai. Agora um passo a mais, aquelas importantes pessoas nos ajudaram ao como acolher Jesus e termos consciência de sua presença em nossa vida e no mundo, neste exato momento da celebração do Batismo do Senhor, Jesus, somos possibilitados a atualizar em nós o próprio Jesus, sim, agora neste exato tempo fazer a experiência de ser filho(a) de Deus, assim como Jesus o é.

A celebração do Batismo de Jesus iluminada pelo texto do Evangelho de Mateus 3, 13-17 nos possibilita ou capacita ao entendimento, em Jesus, não convivemos por exterioridade com o Plano de Deus, em Jesus pela graça de Deus, donde a necessidade da graça sacramental do batismo, quem crê e deseja a vida em sua plenitude, vai agora dar os passos maduros do compreender, do sentir e agora do exteriorizar a filiação divina. Jesus vem para conviver conosco como Filho de Deus, não só por fora, mas Jesus é o convite e a capacitação da filiação divina. Lembremos as pessoas do Advento, do Tempo do Natal suas vidas são acolhimento de Jesus, agora Jesus é em si, quem acolhe Jesus o acolhe e se torna por Ele e na pessoa Dele, Filho(a) de Deus. O sacramento do Batismo é a graça que se recebe, como dom exterior vindo do Pai e se torna na pessoa expressão desta graça, graça elaborada no interior pela Força Amorosa de Deus, o Espírito Santo, impossível de ser ocultada, porque se torna exterioridade atualizada de filiação Divina na vida cotidiana.

Agora é o próprio Jesus quem nos ajuda a assumi-lo por dentro de nossa vida. O Evangelista nos coloca diante do choque de João Batista com a pessoa de Jesus (Mt 3, 13). Jesus que vêm a público diante de João, o espanto de João é tremendo, diz ele: “Eu preciso ser batizado por ti e tu vens a mim?” Ou, eu que te desejo ir e tu vens a mim? A palavra batismo vem do grego “Baptizo” e significa “mergulhar”, assim enraizado pela expressão na sua essência voltemos ao encontro chocante entre essas duas pessoas. João está em choque, pois clamava com veemência que todos deveriam se purificar para serem recebidos por aquele que viria e ele não se considerava digno de desatar suas sandálias (Mt 3, 11), eis que Jesus vem a João é quer ser mergulhado por ele, observemos João que deseja ser mergulhado em Deus e em seu Plano, no entanto, agora tem Jesus que deseja ser mergulhado na pessoa dele, como se Jesus dissesse “eu agora mergulho em ti”. João em choque se recusa (Mt 3, 14), diz o texto “protesta”, ou seja, bate de frente, na expressão grega “diekolyen”, quase que uma discussão de nervos a flor da pele.

Este chocante encontro nos faz refletir e nos insere no acontecimento, o Batismo nos mergulha nesta vida em Deus e em seu Plano. No Batismo somos mergulhados no Espírito Santo, ou seja, somos mergulhados no amor de Deus Pai, o rito nos faz de forma visível ser, pelo gesto de derramar a água sobre a pessoa, mergulhados, mas pelo encontro que estamos tendo atualizados, olhando o rosto de João e Jesus quase “em cena congelada”, o fato batismal é bem mais que um pouco de água, o rito nos leva a mergulhar no amor de Deus e ao mesmo tempo Deus mergulha na pessoa que foi batizada. Então o que João nos ajuda a entender pela explicação de Jesus (Mt 3, 15), no batismo não há um choque, mas na verdade uma fusão, fusão entre o desejo de ser mergulhado no Amor do Pai Divino e sua real presença Divina em quem fora batizado.

Agora não mais Cristo, Jesus, por fora acolhido, mas Jesus em pessoa e na pessoa batizada. Por isto se requer para administração do Batismo a consciência madura de quem conduz os mais novos a este Sacramento, entrada na vida da Igreja, comunidade de fé viva, pois será também um ato público do ser pessoa de Cristo testemunhado no mundo. O Batismo, não é só um rito de beleza fotográfica e frivoleza, o Batismo é a fusão de quem necessita de amor vital, com a essência do amor em si mesmo, que é o próprio Deus Pai. Há consequências deste sacramento na vida e para toda a vida.

Devido a está realidade tão alta muitos há que se preocupam com o desenvolvimento desta vida nova, como cristão em si e também testemunha para o mundo, algo belo e grave, devido sua importância para a pessoa que recebe o sacramento e o conjunto testemunho dessa nova vida. Existem reflexões teológicas serias sobre estes requisitos e o desenvolver desta vida fundida em Deus, o testemunho desta “vida tão alta” também precisa corresponder, carecendo dos meios para ser exteriorizada, com isso uma interrogação vem à tona, “não seria melhor evangelizar racionalmente a criança até que tenha idade suficiente para poder exercitar essa vida?” Mateus ao final do seu Evangelho traz a ordem de Jesus ressuscitado aos seus discípulos referente justo ao ato de “Mergulhar” na Trindade e “transmitir” pelo testemunho a pessoa Dele à todas as pessoas (Mt 28,19-20). João Batista era adulto e homem de Deus, no entanto, mesmo sem racionalmente compreender a totalidade confiou na pessoa de Jesus e em tudo os dois fizeram “para cumprir a justiça do Pai” (Mt 3, 15). Reflitamos de modo lógico, os pais de uma criança não podem aguardar o desenvolvimento da totalidade física, afetiva e racional, sobre o grave risco de impedir o desenvolvimento psicossomático deste filho(a), ao oferecer o melhor que tem, tanto material, seus valores e sobretudo seu amor os pais possibilitam o crescimento humano e equilíbrio humanizado necessário em vida à esta vida nova.

A transmissão do melhor é condição natural, isto se manifesta até mesmo nos animais irracionais que seguem os ciclos das melhores estações, nessa simbiose de vida entre as vidas, ofertando o melhor das coisas e dos tempos aos seus filhotes. Portanto, os pais, os outros responsáveis e a Mãe Igreja fazem em conjunto o melhor que podem ao pedir a consciência atualizada da fé, está que atualiza o Amor Divino e o vai fundindo na vida dos batizados e batizadas. Um Pai e uma mãe e ou responsável por alguém não pode negar o melhor a outrem, portanto, não se pode negar o amor humano e sua essência advinda do Amor Divino, somente oferecendo o melhor e de forma consciente em cada etapa da vida humana teremos testemunhas autênticas e autentica transmissão de humanidade, esta com a centelha da vida nova mergulha na Graça do Pai. Não deixemos de levar as crianças às aguas santificadas pelo Espírito Santo.

Toda a Trindade está manifesta o Filho na pessoa de Jesus, o Espírito na figura da pomba e o Pai na voz vinda do céu. O Pai explica e testemunha sobre o Filho, o que o Espírito testemunha no local de sua presença sobre o Filho, “columba fidelis nido” no latim e significa “a pomba ama seu ninho”, a morada do Amor do Pai e a pessoa do Filho, a voz do Pai testemunha o porque do Espírito Santo permanecer em Jesus, ensinando: “Este é o meu Filho amado, no qual eu pus o meu agrado” (Mt 3, 17), aqui mais uma vez é bom tomar a expressão original para um melhor entendimento de sua força, o Pai ao testemunhar usa a expressão “eudokesa”, não é só um sentimento de “complacência” e “ternura” pela pessoa do Filho, Jesus, Deus Pai está afirmando em Jesus “está a vida que eu quero”, ou seja, em Jesus que age como esta agindo é essa a “vida que Deus mais deseja” para quem escuta sua Voz Paternal. A continuada fusão à Trindade em sua perfeição e que a graça do Batismo capacita, pela força do Espírito Santo, também é fundida na vida de quem recebe o Batismo.

Portanto, queridos amigos e amigas em Cristo, com a celebração litúrgica do Batismo do Senhor, Jesus, somos esclarecidos pelos mistérios que fomos mergulhados, o batizado é capacitado a viver a vida nova fundida na pessoa de Cristo. O Espírito mora em nós pelo amor do Pai, pois em Jesus somos filhos e filhas de Deus. Cresçamos nesta nova vida, como a criança aos poucos vai tomando consciência de si, do amor de seus pais e vai levando a vida bem orientada. Procuremos crescer em Cristo e testemunhar a pessoa Dele em nossas vidas. Cristo assumiu nossa vida com tudo de bom e difícil, procuremos assumir toda a vida Dele também em nós e descobriremos para além de nossas fraquezas a vitória que vem da força desta nova vida.

Cada dia tomemos consciência do Amor Fiel do Pai que está sobre nós, Deus nos confirmará em sua justiça, isto nos dará razão para sermos pessoas justas como João e Jesus. Sempre recorde a vida de seus pais está fundida no seu DNA e pela força do Espírito Santo no dia do seu batismo sua vida foi fundida a vida e ao Plano de Deus, esse Deus que é Pai e por sua vida diz a todos e ensina pelos séculos, você como Jesus é meu filho amado, é minha filha amada. Tenhais coragem para os choques, dos encontros e com firmeza testemunhai a sua filiação Divina.

Felicitações a todos pela graça do vosso Batismo, reze por seus pais, padrinhos, afilhados e também pelo ministro ordenado que em nome da Mãe Igreja lhe abriu o céu para ouvir A Voz do Pai, procure, se possível a igreja que fora batizado, conceda a Pia Batismal um santo, demorado e grato beijo, pois a pia batismal é rosto e útero da Mãe Igreja que te fez nascer para essa vida encharcada do Espírito Santo. Amém.

Assine a nossa newsletter

Junte-se à nossa lista de correspondência para receber as últimas notícias e atualizações de nossa equipe.

You have Successfully Subscribed!