Destaque Destaque2 Em Destaque

SANTA BAKHITA nas palavras do Papa Francisco

 

A vocação dos oprimidos é a de libertar

Segundo Francisco, “muitas vezes a pessoa ferida acaba ferindo; o oprimido facilmente se torna um opressor. Em vez disso, a vocação dos oprimidos é aquela de libertar a si mesmos e aos seus opressores, tornando-se restauradores de humanidade. Somente na fraqueza dos oprimidos pode se revelar a força do amor de Deus que liberta a ambos. Santa Bakhita expressa muito bem esta verdade”.

Um dia ela recebeu de seu tutor um pequeno crucifixo e guardou-o como um tesouro. Olhando para o crucifixo, Santa Bakhita “experimenta uma profunda libertação interior porque se sente compreendida e amada e, portanto, capaz de compreender e amar por sua vez“. Ela disse: “O amor de Deus sempre me acompanhou de forma misteriosa… O Senhor me quis tão bem: é preciso querer bem a todos… É preciso ter compaixão!”.

Santa Bakhita nos ensina a humanizar

Na verdade, com-padecer significa quer padecer com as vítimas de tanta desumanidade presente no mundo, como também ter compaixão de quem comete erros e injustiças, não justificando, mas humanizando.

“Esta é a carícia que ela nos ensina: humanizar. Quando entramos na lógica da luta, da divisão entre nós, de sentimentos ruins, uns contra outros, perdemos humanidade. Muitas vezes pensamos que precisamos de humanidade, ser mais humanos. Isto é o que nos ensina Santa Bakhita: humanizar, humanizar a nós mesmos e humanizar os outros.”

Santa Bakhita, tornando-se cristã, foi transformada pelas palavras de Cristo que meditava diariamente: “Pai, perdoa-lhes, porque não sabem o que fazem”. Por isso dizia: “Se Judas tivesse pedido perdão a Jesus, também ele teria encontrado misericórdia”. Segundo o Papa, “a vida de Santa Bakhita tornou-se uma parábola existencial de perdãoQue bonito dizer de uma pessoa que ela, ele foi capaz de perdoar sempre, sempre. E ela foi capaz de fazer isso sempre. Perdoar, porque depois, seremos perdoados. Não se esqueçam disso. O perdão é a carícia de Deus a todos nós“, sublinhou.

O perdão liberta

O perdão a tornou livre. O perdão recebido primeiro pelo amor misericordioso de Deus e depois o perdão dado fizeram dela uma mulher livre, alegre, capaz de amar. Assim, Bakhita pôde viver o serviço não como uma escravidão, mas como expressão do dom livre de si. Isto é muito importante: feita serva pela força, escolheu então livremente tornar-se serva, carregar nos ombros o fardo dos outros”, disse ainda Francisco.

Santa Josefina Bakhita, com o seu exemplo, nos indica o caminho para finalmente nos libertarmos das nossas escravidões e medos. Ajuda-nos a desmascarar as nossas hipocrisias e os nossos egoísmos, a superar ressentimentos e conflitos, e nos encoraja sempre.

“Queridos irmãos e irmãs, o perdão não tira nada, mas acrescenta dignidade à pessoa, faz tirar o olhar de nós mesmos em direção aos outros, para vê-los tão frágeis como nós, mas sempre irmãos e irmãs no Senhor. O perdão é fonte de um zelo que se torna misericórdia e chama a uma santidade humilde e alegre, como a de Santa Bakhita”, concluiu o Papa.

Adicionar comentário

Clique aqui para postar um comentário

Assine a nossa newsletter

Junte-se à nossa lista de correspondência para receber as últimas notícias e atualizações de nossa equipe.

You have Successfully Subscribed!