Diocese de Uberlândia Em Destaque

Santa Teresinha do Menino Jesus, virgem e doutora da Igreja (III)

Na sexta-feira santa de 1897, depois de ter prolongado o seu momento de oração até meia-noite, deitou-se muito fatigada. Daí a pouco sentiu-se muito mal e, no entanto, encheu-se de alegria ao considerar que aquele era “um sinal da chegada de Cristo”, referindo-se à proximidade de sua morte. Por aqueles dias começou a falar da chuva de rosas que faria cair sobre a terra depois de sua morte.

Santa-Terezinha

Em junho de 1897 foi levada para a enfermaria do Carmelo onde só saiu morta. Padeceu fortes hemorragias e sua agonia prolongou-se por vários dias. Mesmo vivendo esta situação de finitude dos seus dias terrenos, afirmava com naturalidade: “Nunca vou saber morrer. Nunca acreditei que fosse possível sofrer tanto, porém não me arrependo de ter-me entregado ao amor… Depois de minha morte, farei cair uma chuva de rosas”, ou seja, que proporcionaria uma chuva de favores e benefícios, para que as pessoas amassem mais a Deus.

Na iminência de sua morte, pela manhã, disse às religiosas que estavam à sua volta: “Farei cair uma chuva de rosas sobre o mundo!”. Morreu em 30 de setembro de 1897, com apenas 24 anos. No dia 4 de outubro de 1897, foi sepultada no cemitério de Lisieux.

A sua irmã, Paulina, também Carmelita, publicou em 1898 os escritos de Santa Teresinha, intitulados “História de uma alma”. No dia 17 de maio de 1925, Teresinha foi canonizada pelo Papa Pio XI, chamando-a de “a estrela do meu pontificado”. O mesmo Papa a declara Patrona Universal das Missões Católicas em 1927, junto com São Francisco Xavier, e passou a ser invocada desde 1944 como co-padroeira da França, ao lado da guerreira Santa Joana D’Arc. O Bem-aventurado João Paulo II a declarou Doutora da Igreja no dia 19 de outubro de 1997.

No dia 31 de outubro de 2008, Dia Mundial das Missões, em Lisieux, na Basílica dedicada precisamente à sua filha, os pais de Santa Teresinha, Luís Martin e Zélia Guérin foram beatificados pela Igreja, em cerimônia presidida pelo Cardeal José Saraiva Martins.

Afirmava Santa Teresinha: “Vou passar meu céu fazendo o bem na terra” e “Eu não morro, entro na vida”. A todas as pessoas que leem estas páginas sobre Santa Teresinha do Menino Jesus, eu desejo que uma chuva de graças caia abundantemente em suas vidas. Que Deus, em sua infinita misericórdia, guarde cada um(a) de vocês na palma de suas mãos e todos(as) sejam abençoados(as) pela intercessão de Santa Teresinha do Menino Jesus em suas reais necessidades mais íntimas e urgentes. Santa Teresinha do Menino Jesus, rogai por nós!

______________

Por, Pe. Antônio Lúcio, ssp

Assine a nossa newsletter

Junte-se à nossa lista de correspondência para receber as últimas notícias e atualizações de nossa equipe.

You have Successfully Subscribed!